• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

Bactérias do bem protegem metais contra corrosão

A corrosão induzida por microorganismos é um problema sério para peças metálicas expostas ao ambiente marinho, principalmente para equipamentos feitos de alumínio.

Agora, pesquisadores da Universidade Sheffield Hallam, no Reino Unido, viraram o jogo, e criaram um revestimento anticorrosivo que coloca as bactérias no papel de protetoras contra a corrosão.

Corrosão induzida por micróbios

A equipe da pesquisadora Jeanette Gittens encapsulou esporos da bactéria em um material chamado sol-gel que, aplicado sobre as peças feitas com ligas de alumínio, protege-as contra a corrosão induzida pelos microorganismos.

A corrosão induzida por micróbios é um problema não apenas econômico, acelerando o desgaste das peças, mas também de segurança, impondo riscos às embarcações e aos seus tripulantes, bem como às instalações portuárias e às construções à beira-mar.

Essa corrosão microbiana ocorre porque os microorganismos formam biofilmes sobre a superfície desses metais e seu metabolismo produz substâncias altamente corrosivas, como o sulfeto de hidrogênio.

Biorrevestimento anticorrosão

A incorporação dos esporos das bactérias no sol-gel não afeta sua viabilidade, conforme os pesquisadores puderam atestar ao localizar células vivas no revestimento depois de seis meses imersos em água do mar. O revestimento também pode ser curado por aquecimento a 90°C.

“Nossos resultados a partir de estudos em laboratório e testes de campo demonstraram que o revestimento contendo bactérias é substancialmente mais eficaz na prevenção da corrosão do que o revestimento de sol-gel sozinho,” explica a Dra Gittens.

“Nós estamos investigando o que causa a proteção contra a corrosão – nós achamos que possa ser porque a bactéria imobilizada produz agentes antimicrobianos que inibem o crescimento dos microorganismos causadores da corrosão,” diz ela, adiantando que o próximo passo da pesquisa será efetuar testes em larga escala, avaliando o rendimento do biorrevestimento em outras ligas e em outras situações de aplicação prática.

Redação do Site Inovação Tecnológica
14/04/2009

Uma resposta

  1. A corrosão por microorganismos, além de afetar a embarcação, parece ser mais uma vilã no caso da bioinvasão, juntamente com a água de lastro contaminada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: