• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

Peixe-robô pode substituir hélices na propulsão de navios

O esqueleto do peixe robótico consiste em 10 segmentos que se movimentam de forma coordenada, reproduzindo o sistema de locomoção do animal.[Imagem: TU Darmstadt]

Pesquisadores alemães filmaram e analisaram a locomoção de um peixe marinho de forma tão detalhada que se tornou possível reproduzir com exatidão o seu movimento e construir um robô que se move como o animal de verdade. O peixe que serviu de modelo é conhecido como dourada (Sparus aurata).

O objetivo da pesquisa é criar um sistema de locomoção para barcos e navios que seja uma alternativa ao tradicional sistema de hélices, que causa grande impacto econômico e ambiental principalmente nas regiões de águas mais rasas, onde a grande agitação causada pelas hélices causa erosão e desgaste nas estruturas dos portos.

Esqueleto do robô

O primeiro protótipo resultante da pesquisa consiste de um “esqueleto” composto por dez segmentos que se movimentam de forma harmônica e suave. Os pesquisadores da Universidade de Darmstadt agora estão testando os padrões de locomoção de várias espécies de peixes a fim de refinar e aumentar a eficiência do seu peixe-robô.

O esqueleto do robô é recoberto com uma “pele” formada por um polímero elástico, deixando os diversos segmentos livres para se movimentar em relação uns aos outros. Os segmentos são movimentados por atuadores à prova d’água.

Propulsão mais suave

O peixe-robô é um modelo na escala 5:1 do peixe que o inspirou, medindo 1,5 metro de comprimento.

Os pesquisadores esperam que um sistema de propulsão suave agite menos as águas, causando menos danos às estruturas portuárias, diminuindo a erosão nas regiões costeiras e agitando menos o leito das regiões navegáveis, que causam grandes impactos sobre plantas marinhas e animais aquáticos.

Redação do Site Inovação Tecnológica – 29/06/2009

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: