• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

Hidrofólios, o que são e para que servem?

Por que instalar (ou não…) um hidrofólio na sua lancha

Por Marcio Dottori
Da Revista Náutica número 207
Gustavo Roth/Revista Náutica
Hidrofólio, peça que ajuda a abaixar a proa do barco

Hidrofólios são pequenas “asas” de plástico de alta resistência, que, presas à placa antiventilação dos motores de popa ou de centro-rabeta, baixam a proa do barco quando em movimento. Segundo os fabricantes, se instalados corretamente, os hidrofólios podem fazer maravilhas, como diminuir o tempo de planeio, manter o regime de planeio numa rotação mais baixa, reduzir o consumo de combustível, baixar a proa para dar mais visibilidade frontal para o piloto e até mesmo melhorar a velocidade! Porém, é difícil acreditar que uma pequena placa de plástico, que custa menos de R$ 150, possa fazer tantos milagres. Até porque, se os hidrofólios fossem tão eficientes assim, os motores de popa já sairiam de fábrica com eles, o que não acontece. A verdade é que os hidrofólios realmente melhoram a performance, mas só num determinado regime de rotação e, geralmente, os mais baixos. Para tirar estas dúvidas, instalamos um hidrófolio numa lancha Marimbas 160, da Levefort, e a testamos em diferentes fases de rotação. Veja o que aconteceu:

  • A 2 000 rpm (velocidade de corrico)
    Só melhorou a visibilidade. Apesar de melhorar o ângulo longitudinal de inclinação do barco (o “trim”), a performance da lancha praticamente não foi afetada. Velocidade, consumo, eficiência e autonomia continuaram praticamente iguais. A vantagem é que a proa ficou mais baixa, o que permitiu enxergar melhor a frente.
  • A 2 500 rpm (velocidade de planeio) – Ajudou em tudo. Além de manter a proa mais baixa, o hidrofólio deu mais eficiência ao barco, acrescentando 16 milhas (ou 30 km a mais) na autonomia da lancha, já que o consumo baixou ligeiramente.
  • A 3 500 rpm (velocidade de cruzeiro)
    Seria melhor sem elesAqui os papéis se inverteram. Praticamente não houve alterações no trim e logicamente, sem o hidrofólio, o consumo foi menor do que com eles, sendo possível navegar 9 milhas (ou 17 km) a mais, já que não há arrasto.
  • A 5 250 rpm (velocidade máxima)
    Com ou sem, tanto faz. O trim, também, se manteve o mesmo e as diferenças na velocidade e no consumo foram insignificantes, com até ligeira vantagem ao se navegar sem o hidrofólio. Ou seja, ele só é útil até determinada velocidade.
  • E os flaps?
    Os flaps, ou uma espécie de extensão móvel do casco, têm quase a mesma função dos hidrofólios. Porém, além de diminuírem o consumo de combustível e melhorarem a pilotagem, eles servem, também, para compensar a má distribuição de peso a bordo, já que são aletas independentes, uma em cada lado do casco.
  • Deixe uma resposta

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s

    %d blogueiros gostam disto: