• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

Líderes da Volvo Ocean Race cruzam Cabo Horn e se aproximam de Itajaí

Volvo Ocean Race

Restam menos de 2 mil milhas náuticas para o Groupama e o Puma cruzarem a linha de chegada em Itajaí, na perna mais desgastante e longa da Volvo Ocean Race 2011/2012. A previsão é de que os dois apareçam na cidade catarinense na próxima semana. Os barcos foram os que menos sofreram com os ventos frios e as ondas gigantes dos mares do sul.

Nesta sexta-feira, as equipes passaram pelo temido Cabo Horn, na Terra do Fogo. O local é a parte mais ao sul do Américas, além de ser famoso por condições severas de navegação. Trajeto mítico da vela, a passagem pelo Horn é considerada sonho de consumo pela maioria dos participantes da volta ao mundo.

Cansados, os velejadores dos dois times projetam uma espécie de match race até o Brasil. A diferença dos franceses para os norte-americanos é menor do que 15 milhas náuticas, aproximadamente uma hora de diferença. Ou seja, a rotina a bordo será intensa nos próximos dias para aproveitar melhor os ventos.

– O Puma é, agora, o nosso rival mais perigoso, então estamos navegando de maneira conservadora e parecida com a deles. Para a classificação geral, seria bom chegar a Itajaí na ponta – declara Franck Cammas, comandante do Groupama.

A declaração do líder do veleiro francês é compartilhada por seus tripulantes, que pretendem foco total para repetir o desempenho da última perna e terminar em primeiro lugar, reduzindo a vantagem na classificação geral para o líder Telefónica.

– Ligamos o ‘Race Mode’ (modo de corrida) a partir de agora. Mesmo com o desgaste do percurso, precisamos manter a liderança. Este é o ponto que chamo de ‘Cabo da Libertação’. É onde a Volvo Ocean Race começa de fato – comenta Thomas Coville, do Groupama.

A tendência é que, a partir de domingo (1), as condições meteorológicas devem ser menos extremas: menos frio e mar estável.

– Nós estudamos atravessar da melhor maneira o Cabo Horn desde o instante em que deixamos Auckland. Cruzar esse trecho é um marco. Poucas pessoas conseguem alcançar esse feito. É o Cabo Horn, faça chuva ou faça sol – relata o emocionado tripulante de mídia do Puma, Amory Ross.

O Telefónica confirmou nesta sexta-feira que fará uma parada estratégica no Cabo Horn. O pit stop seria feito na cidade Ushuaia, na Argentina, mas a mudança foi antecipada e acontecerá na região do próprio cabo. O diretor técnico do veleiro espanhol, o brasileir Horácio Carabelli já está a caminho para ajudar os companheiros.

– Decidimos fazer essa interrupção para reparar a proa e seguir viagem de maneira rápida e segura. Ainda bem que a zona do Cabo Horn é um labirinto de ilhas, que nos ajudará a fazer esse procedimento de maneira eficaz – afirma o comandante Iker Martinez.

Já o Abu Dhabi quebrou pela segunda vez na etpaa e deve atrasar ainda mais a chegada ao Brasil. Após avaria no início da perna e um retorno a Auckland, os árabes foram obrigados a fazer um conserto no casco em pleno Oceano Austral. Foram colocados mais de 30 parafusos no deque para impedir que o barco se despedace ao meio. O trabalho durou cinco horas.

– No momento, a única prioridade continua sendo a segurança do barco e da tripulação, mas eu confesso que estou muito mais relaxado a esse repeito agora do que eu estava há 24 horas – explica Ian Walker, comandante do barco. O Sanya está fora da perna e o Camper, quarto colocado, também tem problemas e está velejando em direção a Puerto Montt, no Chile, para reparos em terra.

A Regata – A Volvo Ocean Race tornou-se um dos eventos esportivos coletivos mais exigentes e emocionantes do mundo. Velejadores utilizam a mais moderna tecnologia náutica para cruzar os cinco continentes do globo, percorrendo aproximadamente 39 mil milhas náuticas (72 mil quilômetros). A competição é realizada de três em três anos e está na 11ª edição. A maior competição de vela oceânica mundial teve início em outubro de 2011, na cidade de Alicante, na Espanha, e irá terminar no dia 7 de julho em Galway, na Irlanda.

A quinta perna, de Auckland, na Nova Zelândia, até Itajaí é considera a mais estratégica da competição por se tratar de um trajeto cheio de ondas gigantes, ventos frios da Antártica e uma passagem pelo temido Cabo Horn. Além disso, as seis equipes irão navegar 12.417 quilômetros (6705 milhas náuticas) – o maior trecho da competição. Até o momento, cinco dos seis barcos já sofreram danos. A pior situação é a do Sanya, que sofreu avarias graves no leme e, por isso, decidiu sair da etapa, voltando para competição apenas na parada de Miami, nos Estados Unidos. A chegada dos barcos ao Brasil está prevista para o dia 6 de abril, sexta-feira da paixão.

Assessoria de Comunicação da Parada de Itajaí da Volvo Ocean Race

Extraído de ClicRBS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: