• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

Volvo Ocean Race: Team Telefônica põe os pés em Itajaí

Os barcos da Volvo Ocean Race seguem lutando contra a força dos ventos e das ondas para subir o Atlântico e chegar a Itajaí. Enquanto isso, a cidade que já vive o clima da regata recebeu seu primeiro tripulante: nesta quarta-feira, Antonio Cuevas, do Telefónica, desembarcou na cidade ao lado de Horácio Carabelli, diretor técnico do time espanhol.

Neti, como é conhecido, teve de deixar o barco no sábado, aproveitando o pit-stop feito no Chile, por causa de uma lesão nas costas.

A quinta etapa da Volvo Ocean Race já pode ser batizada como uma das mais emocionantes e difíceis da história da regata de volta ao mundo. Nesta quarta-feira, o barco que liderou a maior parte da perna, o francês Groupama, sofreu uma quebra de mastro e já interrompeu a velejada para fazer os reparos necessários. Como o Sanya já tinha abandonado a etapa, o Abu Dhabi tomou a mesma decisão nesta terça-feira e o Camper está sendo reparado no Chile, apenas dois barcos seguem na disputa: o norte-americano Puma e o espanhol Telefónica.

A contagem oficial aponta menos de 1.000 quilômetros para o líder, o Puma, chegar a Itajaí ainda na sexta-feira, um dia antes da previsão divulgada na terça-feira. O Telefónica, porém, que parou no Chile para fazer reparos no casco, voltou com velocidade e sorte: está a menos de 60 quilômetros dos norte-americanos.

Após o conserto e a parada de 12 horas numa das ilhas do cabo Horn, os espanhóis acertaram nas escolhas de rota e tiraram, nos últimos três dias, 400 km de diferença para a liderança, uma vantagem que parecia grande demais para ser revertida. Agora, o time já pode sonhar em vitória.

– Nós vamos continuar nesse ritmo para pegar o líder e vencer a perna. A previsão de vento nos favorece para os próximos dias e a esperança não morre. Nada está definido – relata o tripulante de mídia Diego Fructuoso.

Enquanto isso, o Groupama, que fazia uma disputa equilibrada com o Puma, já está velejando com mastreação de fortuna (usada em emergências) e ruma para o litoral do Uruguai – o acidente aconteceu a 60 milhas náuticas ao sul de Punta del Este. O time ainda não definiu em qual cidade irá fazer os reparos necessários para regressar à disputa.

– Perdemos o equipamento, mas a nossa equipe está a salvo. Estamos trabalhando para estabilizar o barco, mas será preciso fazer a mastreação de fortuna – conta o comandante Franck Cammas, logo após o acidente.

Já a tripulação da Camper está confiante em retomar a regata na quinta perna e chegar a tempo em Itajaí. Por causa de danos na proa do barco, a equipe teve de parar em Puerto Montt, no Chile. Eles devem ficar mais três ou quatro dias fazendo reparos. O time de bandeira espanhola e neozelandesa, liderada por Chris Nicholson, chegou ao porto na última terça-feira (3) e não perdeu tempo na avaliação do casco.

Já o Abu Dhabi, que tinha problemas no casco e estava muito atrasado em função da parada que fizera em Auckland para conserto, pegou carona em um cargueiro para chegar a Itajaí antes da Regata do Porto, marcada para 21 de abril.

Fontes: Clic RBS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: