• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

Concluídas as provas de mar no navio João Candido

O Estaleiro Atlântico Sul (EAS) finalizou as provas de mar do petroleiro Suezmax João Cândido, executando todos os testes exigidos para o navio, tanto na condição de totalmente carregado como na condição em lastro. Os materiais, componentes, equipamentos e sistemas da embarcação foram observados durante os testes e os resultados confirmaram o funcionamento e desempenho adequados.
 
As provas de mar foram realizadas durante oito dias de testes consecutivos com a presença da fiscalização do armador (a Transpetro), dos fiscais da Sociedade Classificadora American Bureau of Shipping (ABS) e dos fornecedores dos principais equipamentos do navio. A embarcação retornou ao cais do EAS no domingo (8).
 
O estaleiro passa a realizar, a partir de agora, as atividades finais no navio, como a limpeza de casa de máquinas, acabamento das acomodações e limpeza geral da embarcação. Em seguida, o João Cândido será entregue à Transpetro. “Nas provas de mar, o navio cumpriu todos os testes programados e seu desempenho foi bastante satisfatório”, observa o presidente do EAS, Agostinho Serafim Júnior. “Os testes estruturais dos tanques de carga foram realizados e aprovados, assim como foi realizada a verificação das condições operacionais dos sistemas do navio. Equipamentos como os das bombas de carga e bombas de lastro foram aprovados e indicadores como o consumo de combustível, por exemplo, estão de acordo com o previsto em contrato”, acrescenta.
 
A primeira fase das provas foi realizada durante três dias, com o navio fundeado (ancorado) a uma distância de quatro a cinco milhas náuticas (7 a 9 km) da costa. Depois, o navio se deslocou a até 40 milhas da costa (72 km) e realizou testes num eixo de 265 milhas (477 quilômetros) entre Natal (RN) e Maceió (AL). Na condição totalmente carregado, o navio é testado colocando-se água salgada nos tanques de carga – simulando uma operação de transporte de petróleo – e o calado da embarcação (parte do casco que fica submersa) atinge 17 metros. Na condição em lastro, os tanques de carga são parcialmente esvaziados até que a embarcação atinja o calado médio aproximado de sete metros e meio, simulando a condição de navegação do petroleiro descarregado.
 
Cerca de 120 técnicos estiveram a bordo da embarcação durante as provas de mar, entre funcionários do EAS, tripulantes, representantes da Transpetro e dos fabricantes de equipamentos e fiscais da ABS ­ uma das principais classificadoras da construção naval no mundo e com 150 anos de credibilidade no mercado.
 
Fontes: Portos e Navios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: