• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

Petrobras impõe “superioridade” no EAS

A Transpetro, braço de transporte da Petrobras, estipulou um prazo para que o EAS (Estaleiro Atlântico Sul), em Pernambuco, encontre um novo parceiro para substituir a sul-coreana Samsung sob risco de romper o contrato com o estaleiro, informou hoje o Presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

“O prazo quem decide somos nós, e vai depender muito do que a gente observar, da vontade do estaleiro de querer resolver. Não seremos enrolados eternamente porque não é nossa característica”, disse Machado durante evento do setor na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro.

A Samsung, sócia tecnológica das construtoras Camargo Corrêa e Queiroz Galvão no EAS, deixou a sociedade em março, após desentendimento com os parceiros. Agora, as duas brasileiras conversam com possíveis sócios asiáticos para substituí-la, informou Machado.

Pelo contrato, a Transpetro poderá romper o compromisso com o EAS se um novo sócio demorar a ser escolhido.

“Não queremos usar o contrato, queremos construir navios, desde que a mudança acionária seja acompanhada pelo ingresso de um novo sócio que nos de a mesma tranquilidade que tinha antes”, disse o executivo.

“Mas não vamos esperar eternamente, terá um prazo, mas não vou anunciar datas”, complementou, afirmando que deu “alguns dias” para as construtoras.

O EAS atrasou em quase dois anos a entrega do primeiro Suemax (navio de grande porte), o petroleiro João Cândido, que só deverá ser entregue em maio. A encomenda do navio havia sido feita há quatro anos pela Transpetro.

De acordo com Machado, apesar dos atrasos do estaleiro, a retomada da indústria naval no país já é uma realidade e agora é preciso buscar sustentabilidade para o setor.

“O fundamental agora é que a indústria brasileira saiu da inércia e estamos mirando no ganho de produtividade para dar sustentabilidade”, disse Machado. Ele lembrou que o Brasil já é o quarto país em carteira de encomendas no mundo e que em breve passará o Japão, terceiro colocado.

Com as informações – Denise Luna / Folha

Fontes: Portal Marítimo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: