• Univali

  • Seja você também um profissional da construção naval!

  • Curta nossa FanPage

  • Equipe Ubá Suy Aram

    Desafio Solar Brasil

  • ANI

  • Livro de Regras ABS

    ABS - 2008
  • Principais Estaleiros no Mundo

  • Programação de Navios

    Programação de Navios
  • Arquivos

A polêmica do EAS continua…

Uma mistura explosiva de receitas em queda livre com custos e despesas em disparada levaram o Estaleiro Atlântico Sul (EAS) a um prejuízo de R$ 1,47 bilhão em 2011.

As demonstrações financeiras divulgadas ontem mostram que as receitas consolidadas da construção naval caíram pela metade, de R$ 1,09 bilhão em 2010 para R$ 504,4 milhões no ano passado.

Os custos de produção foram na direção contrária, em alta de 62%, para R$ 1,42 bilhão – ou seja, a receita não cobriu sequer os gastos com materiais e mão de obra.

Os aumentos das despesas operacionais, de 66%, e das financeiras líquidas, de 156%, completaram o estrago.

Nesse cenário, a empresa, controlada meio a meio pela Camargo Corrêa Naval Participações e pela Construtora Queiroz Galvão, não conseguiu cumprir índice de cobertura do serviço da dívida com o BNDES e o Banco do Brasil.

Segundo informações do balaço, a empresa obteve perdão do BNDES em 26 de dezembro. “No caso do Banco do Brasil, o contrato de financiamento prevê que em caso de descumprimento os acionistas podem ser requeridos a apresentar garantias”, diz a nota do balanço.

Uma pessoa com conhecimento da contabilidade da companhia, que preferiu não ser identificada, disse que o estaleiro tem uma carteira de R$ 12,5 bilhões em contratos para construir 22 petroleiros para a Transpetro e sete sondas de perfuração encomendadas pela Sete Brasil, que vai alugar esses equipamentos para a Petrobras.

A lista de problemas do EAS confunde-se com o renascimento da indústria brasileira de construção naval. O primeiro navio construído, o emblemático João Cândido – batizado pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva com grande estardalhaço -, foi lançado ao mar com problemas.

Camargo Corrêa e Queiroz Galvão compraram, em março, a participação da Samsung (6%) no estaleiro e agora negociam às pressas com os japoneses a entrada de um consórcio formado por IHI (ex-Ishikawajima) e Mitsui, com a Mitsubishi correndo por fora.

No balanço, a EAS informa que “enfrentou dificuldades técnicas e operacionais, incluindo o superdimensionamento e a falta de mão de obra qualificada para concluir o navio João Cândido e a plataforma P-55″.

Essas dificuldades acarretaram diversos problemas, entre eles o atraso na construção dos navios e da plataforma. Também obrigaram o estaleiro a fazer uma “revisão e consequente redução das margens de lucratividade de parte dos projetos de construção dos navios; assim como necessidade de aporte financeiro dos acionistas para manter suas operações”.

Procurados, tanto o EAS quanto os sócios informaram que não iriam comentar o balanço.

Entre as principais causas do prejuízo, segundo a fonte, está a decisão de iniciar a construção do João Cândido e do casco da P-55 antes do estaleiro ficar pronto, o que prejudicou drasticamente a produtividade.

O atraso na entrega dos dois guindastes que, juntos, são capazes de içar 2,7 mil toneladas de carga, também foi crucial. O primeiro chegou em 2009 e o segundo, apenas no ano passado.

Sem eles, o estaleiro não pôde colocar em prática o seu conceito de acabamento avançado, que permite a produção de 30 megablocos fora do dique, o que aumentaria a produtividade e facilitaria o trabalho dos funcionários.

A alternativa foi fazer primeiro o casco e depois a montagem das outras partes (o recheio), com os funcionários tendo que entrar dentro da embarcação. As condições de trabalho eram adversas. À temperatura ambiente de aproximadamente 40º se somava o aquecimento provocado pelos equipamentos de solda e iluminação artificial. E os trabalhos que demorariam perto de uma hora em terra, levavam 8 horas por causa das paradas e do deslocamento dos funcionários.

A especialização da mão de obra foi outro revés, já que foi necessário treinar entre cinco mil e seis mil soldadores que antes trabalhavam em canaviais. O acordo com o Estado não permitia contratar fora de Pernambuco.

Com as informações – Cláudia Schüffner e Nelson Niero / Valor Econômico

Fontes: Portal Marítimo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: